Trastuzumabe emtasina é ativo e bem tolerado em pacientes com câncer de mama avançado HER2-positivo metastático para SNC

2 min. de leitura

Análise exploratória do estudo internacional KAMILLA foi publicada em julho de 2020 na revista Annals of Oncology

Recentemente publicada no Annals of Oncology, uma análise exploratória de subgrupo do estudo KAMILLA representa a maior coorte relatada de pacientes com câncer de mama HER2-positivo e metástases cerebrais tratadas com o conjugado droga-anticorpo anti-HER2 ado-trastuzumabe emtansina (T-DM1), em um cenário prospectivo. Os pesquisadores observaram atividade antitumoral clinicamente significativa em pacientes que foram ou não expostas à radioterapia prévia.

KAMILLA é um estudo internacional de fase IIIb em andamento, de braço único, aberto, que avalia a segurança e a eficácia do T-DM1 em pacientes previamente tratadas com terapia anti-HER2 e quimioterapia para câncer de mama metastático ou localmente avançado HER2-positivo. A análise primária mostrou que o T-DM1 foi bem tolerado e mostrou eficácia consistente com a relatada em estudos anteriores. Nessa nova publicação, os pesquisadores relatam resultados de uma análise exploratória post hoc que descreve a segurança e eficácia de T-DM1 em pacientes com e sem metástases cerebrais no início do tratamento, com base nos dados finais da coorte 1.

As pacientes receberam T-DM1 até toxicidade inaceitável, retirada do consentimento ou progressão de doença. As principais medidas de resultado foram a melhor taxa de resposta geral (definida como resposta completa + resposta parcial) e taxa de benefício clínico (definida como resposta completa + resposta parcial + doença estável com duração ≥ 6 meses), conforme determinado por RECIST 1.1, sobrevida livre de progressão, sobrevida global e segurança.

Entre 2.002 pacientes tratadas, 398 tiveram metástases cerebrais basais e apresentaram mediana da sobrevida livre de progressão de 5,5 meses (IC 95% = 5,3-5,6) e sobrevida global de 18,9 meses (IC 95% = 17,1-21,3).

Em 126 pacientes com metástases cerebrais mensuráveis, a melhor taxa de resposta geral foi de 21,4% (IC 95% = 14,6% a 29,6%) e a taxa de benefício clínico foi de 42,9% (IC 95% = 34,1% a 52,0%).

Houve uma redução ≥ 30% na soma dos principais diâmetros das metástases cerebrais em 42,9% das pacientes (IC 95% = 34,1% -52,0%), incluindo 49,3% (IC 95% = 36,9% -61,8%) de 67 pacientes que não foram submetidas à radioterapia prévia.

O perfil de eventos adversos foi semelhante em pacientes com e sem metástases cerebrais basais, embora os eventos adversos em sistema nervoso central fossem mais comuns em pacientes com metástases basais.

Os autores do estudo concluíram que essa análise exploratória de pacientes com câncer de mama metastático HER2-positivo e metástases cerebrais inscritas em um ensaio clínico prospectivo mostra que o T-DM1 é ativo e bem tolerado nessa população. Portanto, o T-DM1 deve ser mais pesquisado nesse cenário.

Referências:
Montemurro F, Delaloge S, Barrios CH, Wuerstlein R, Anton A, Brain E, Hatschek T, Kelly CM, Peña-Murillo C, Yilmaz M, Donica M. Trastuzumab emtansine (T-DM1) in patients with HER2-positive metastatic breast cancer and brain metastases: exploratory final analysis of cohort 1 from KAMILLA, a single-arm phase IIIb clinical trial. Annals of Oncology. 2020 Jul 5.

Send this to a friend