SWOG 1500 compara cabozantinibe, crizotinibe ou savolitinibe versus sunitinibe no tratamento do carcinoma renal papilífero

3 min. de leitura

A sinalização MET é um driver molecular chave no tratamento do carcinoma renal papilífero, entretanto, as estratégias de tratamento no cenário metastático são limitadas

Durante o 2021 Genitourinary Cancers Symposium, foi apresentado o estudo de fase II SWOG 1500 (NCT02761057), que avaliou a eficácia de cabozantinibe, crizotinibe ou savolitinibe versus sunitinibe no tratamento do carcinoma renal papilífero (CRP) metastático. Dado que não existe uma terapia ideal no cenário metastático, o objetivo desse estudo foi comparar um padrão existente (sunitinibe) com os outros inibidores de tirosina quinase com alvo em MET.

Os pacientes elegíveis receberam até uma terapia sistêmica anterior, excluindo agentes anti-VEGF. Os participantes foram randomizados na proporção 1:1:1:1 para receber sunitinibe 50 mg/dia (quatro semanas sim, duas semanas não), cabozantinibe 60 mg/dia, crizotinibe 250 mg/dia ou savolitinibe 600 mg/dia. Os pacientes foram estratificados por terapia prévia e subtipo CRP (I versus II versus não especificado). O objetivo principal foi comparar a sobrevida livre de progressão (SLP) para cada braço experimental versus sunitinibe.

Com 41 pacientes elegíveis por braço, estimou-se 85% de poder para detectar uma melhora de 75% na SLP mediana com um alfa unilateral de 0,10 usando análise de intenção de tratar. Uma análise de futilidade pré-planejada foi realizada após a ocorrência de 50% dos eventos de SLP. Os desfechos secundários incluíram toxicidade, taxa de resposta e sobrevida global. 

 

Resultados: 

Ao todo, 152 indivíduos foram inscritos entre abril de 2016 e dezembro de 2019. A idade média foi de 66 anos e 76% eram do sexo masculino; 92% não foram expostos a terapia sistêmica prévia. Pela revisão patológica local, 18%, 54% e 28% dos pacientes foram caracterizados como tendo histologia do tipo I, II e “não especificado”, respectivamente. Em contraste, a frequência do tipo I, II e “não especificado” pela revisão central foi de 30%, 45% e 25%, respectivamente.

A provisão para os braços de savolitinibe e crizotinibe foi interrompida precocemente por futilidade (hazard ratio de SLP > 1,0 para ambos). O recrutamento dos participantes continuou até a conclusão nos braços de sunitinibe e cabozantinibe.

A mediana de SLP foi significativamente maior com cabozantinibe em relação ao sunitinibe, sendo de 9,2 versus 5,6 meses (HR 0,61; IC 95% 0,37-0,98; p 0,021), respectivamente.

Eventos adversos de grau 3 ou 4 ocorreram em 69%, 72%, 37% e 39% dos pacientes que receberam sunitinibe, cabozantinibe, crizotinibe e savolitinibe, respectivamente.

Os autores concluem que apenas o cabozantinibe resultou em um aumento estatisticamente e clinicamente significativo de SLP em pacientes com CRP em comparação ao sunitinibe. Estes dados suportam o uso de cabozantinibe como padrão de tratamento para pacientes elegíveis com CRP metastático. 

 

Referências:  

  1. Pal SK, et al. Sunitinib versus cabozantinib, crizotinib or savolitinib in metastatic papillary renal cell carcinoma (pRCC): Results from the randomized phase II SWOG 1500 study. Abstract 270. 2021 Genitourinary Cancers Symposium. DOI:10.1200/JCO.2021.39.6_suppl.270

 

 

 

Aviso Legal: Todo conteúdo deste portal foi desenvolvido e será constantemente atualizado pela Oncologia Brasil, de forma independente e autônoma, sem qualquer interferência das empresas patrocinadoras e sem que haja qualquer obrigação de seus profissionais em relação a recomendação ou prescrição de produtos de uma das empresas. As informações disponibilizadas neste portal não substituem o relacionamento do(a) internauta com o(a) médico(a). Consulte sempre seu médico(a). 

Send this to a friend