Oxaliplatina associada à fluoropirimidina demonstra ganho de sobrevida global e livre de doença em pacientes com câncer de cólon estadio III com MSI

2 min. de leitura

A eficácia da fluoropirimidina adjuvante com ou sem oxaliplatina não foi claramente demonstrada em estudos anteriores e o valor prognóstico do MSI permanece incerto em pacientes com câncer de cólon estadio III cujos tumores apresentam instabilidade de microssatélites (MSI) 

 De acordo com uma recente publicação no Journal of Clinical Oncology, observou-se que a adição de oxaliplatina à fluoropirimidina foi associada a ganhos de sobrevidas global e livre de doença em pacientes com câncer de cólon estadio III com instabilidade de microssatélites (MSI). A combinação melhorou a sobrevida global em pacientes com MSI versudoença com estabilidade de microssatélites (MSS) entre aqueles com doença N1, mas não N2.  

O estudo incluiu dados individuais de 5.457 pacientes com MSI e MSS disponíveis a partir de 12 estudos randomizados do banco de dados ACCENT (Adjuvant Colon Cancer End Points), incluindo 609 (11,2%) com MSI e 4.848 (88,8%) com MSS. As análises foram ajustadas para fatores demográficos e clínico-patológicos. Um total de 4.250 pacientes receberam oxaliplatina e fluoropirimidina, incluindo 461 pacientes com MSI e 3.789 pacientes com MSS.  

Na análise conjunta de dois ensaios que avaliaram diretamente a fluoropirimidina com versus sem oxaliplatina, a adição da droga em pacientes MSI (n = 185) foi associada a uma melhora significativa de sobrevida global (HR 0,52; IC 95% 0,2-0,93) e sobrevida livre de doença (HR 0,47; IC 95% 0,27-0,82). Já entre os 1.440 pacientes com MSS, os hazard ratios ajustados foram de 0,89 (IC 95% 0,74-1,06) e 0,82 (IC 95% = 0,70-0,97), respectivamente.  

A análise agrupada dos 4.250 pacientes que receberam a combinação mostrou que o status de MSI versuMSS foi associado à melhora da sobrevida global entre 2.645 pacientes com doença N1 (HR 0,66; IC 95% 0,46-0,95), mas não entre 1.605 pacientes com doença N2 (HR 1,13; IC 95% 0,86-1,48). Resultados semelhantes foram encontrados para sobrevida livre de doença.  

Entre os 461 pacientes MSI que receberam a combinação, fatores prognósticos independentes significativos para a sobrevida global foram estadio N (N2 vs N1; HR 3,10, IC 95% 2,13–4,50), estadio T (T4 vs T1–3; HR 2,39, IC 95% 1,56–3,66) e sexo (masculino vs feminino; HR 1,71, IC 95% = 1,14–2,58). Descobertas semelhantes foram feitas para a sobrevida livre de doença.  

Os pesquisadores concluíram que a adição de oxaliplatina à fluoropirimidina melhora a sobrevida global e a sobrevida livre de doença em pacientes com câncer de cólon estadio III com MSI. Em comparação com o MSS, os pacientes com MSI apresentaram melhores resultados no grupo N1, mas sobrevida semelhante no grupo N2.  

Referências:  

Cohen R, et alMicrosatellite Instability in Patients With Stage III Colon Cancer Receiving Fluoropyrimidine With or Without OxaliplatinAn ACCENT Pooled Analysis of 12 Adjuvant TrialsJournal of Clinical OncologyDec, 2020. DOI: 10.1200/JCO.20.01600. 

Send this to a friend