O papel do PET/CT com 18F-fluciclovina no prognóstico de pacientes com câncer de próstata

< 1 min. de leitura

Estudo EMPIRE-1 foi publicado recentemente no periódico The Lancet 

 

O estudo EMPIRE-1, aberto, de fase II/III, randomizado e controlado, elegeu 165 pacientes para avaliar o papel do PET/CT com 18F-fluciclovina vs. avaliação radiológica convencional para traçar o plano terapêutico de pacientes com antígeno prostático específico (PSA) detectável após radioterapia (RTX) pós-prostatectomia. Os pacientes no grupo do PET tiveram suas condutas baseadas unicamente por esse exame. 

Dos 165 pacientes randomizados em 1:1, com 81 pacientes alocados no grupo controle e 76 no grupo de estudo, a média de acompanhamento foi de 3,52 anos (IC95%; 2,98-3,95). A sobrevida livre de eventos em três anos foi de 63% (IC95% 49,2-74) no grupo de radiologia convencional e de 75,5% (IC 95%; 62,5-84,6%) para o grupo do PET. Com uma taxa de risco de 2,04 (IC95%; 1,06-3,93), o grupo de estudo foi associado a uma melhor sobrevida livre de eventos.  

A incidência de efeitos adversos foi similar em ambos os grupos, sendo os mais comuns poliúria e sensação de urgência urinária (37/81; 46% no controle e 31/76;41% no grupo de estudo) e diarreia aguda (11 pacientes no grupo controle (14%) e 16 (21%) no grupo do PET.  

Os autores concluíram que a adição do PET/CT com 18F-fluciclovina em pacientes com planejamento de conduta para radioterapia pós-prostatectomia foi relacionada a uma melhor sobrevida, sem significância clínica no que tange à incidência de efeitos adversos.  

 

 

Referências:

  1. 18F-fluciclovine-PET/CT imaging versus conventional imaging alone to guide postprostatectomy salvage radiotherapy for prostate cancer (EMPIRE-1): a single centre, open-label, phase 2/3 randomised controlled trial
Send this to a friend