LACOG abre estudo para pacientes com câncer de pênis

3 min. de leitura

Estudo HERCULES pretende avaliar se o uso de imunoterapia associada à quimioterapia tradicional é eficaz e seguro como terapia de primeira linha no tratamento da doença

O câncer de pênis (CP) é um tumor raro nos países desenvolvidos, representando cerca de 0,4% das neoplasias malignas em homens. O pico de incidência ocorre na terceira idade, sem predominância de raça, porém sua incidência é maior em países em desenvolvimento. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, o CP corresponde a 2% de todos os casos de cânceres urogenitais em homens, sendo ainda mais comum nas regiões menos favorecidas, como o Norte e o Nordeste.

Dentre os fatores de risco relacionados, destacam-se a fimose, o tabagismo, as infecções sexualmente transmissíveis (como o HPV), mas o que chama mais atenção é o fato de haver uma associação estreita com questões socioeconômicas. Fatores como baixa escolaridade, má instrução e higiene íntima inadequada ocupam papel de destaque quando analisamos o perfil clínico, cultural e epidemiológico desses pacientes. Apesar de ser uma doença com alto potencial de cura se detectada em estágios mais precoces, a demora no diagnóstico e na procura por tratamento específico é observada em mais de 50% dos casos.

O LACOG (Grupo Latino-Americano de Oncologia Cooperativa), organização dedicada exclusivamente à pesquisa clínica e translacional do câncer, está recrutando pacientes diagnosticados com câncer de pênis localmente avançado/metastático para participarem de um estudo que analisará uma nova opção de tratamento.

Até o momento, a doença irressecável ou metastática é tratada por terapia sistêmica com quimioterapia à base de platina para pacientes com bom desempenho funcional. A mediana de sobrevida livre de progressão e sobrevida global na quimioterapia de primeira linha à base de platina varia entre 3-4 e 7-15 meses, respectivamente. A quimioterapia induz respostas objetivas em apenas 20-30% dos pacientes com câncer de pênis, com raras respostas completas e o tratamento sistêmico não mudou por décadas.

O ensaio clínico de fase II HERCULES pretende avaliar se o uso de imunoterapia (pembrolizumabe) associado à quimioterapia tradicional (cisplatina (ou carboplatina) mais 5-FU) em pacientes com carcinoma de células escamosas avançado do pênis é eficaz e seguro como terapia de primeira linha no tratamento da doença.

O endpoint primário é a taxa de resposta geral na 24ª semana de acordo com RECIST v1.1.

Esse ensaio (que inclui um número pequeno de pacientes) será realizado com 33 pacientes que preencherem os seguintes critérios de elegibilidade:

  • Paciente do sexo masculino com 18 anos ou mais;
  • Diagnosticado com câncer de pênis avançado/metastático;
  • Que não tenha sido exposto anteriormente à quimioterapia ou que progrediu após 12 meses de conclusão da quimioterapia neoadjuvante/adjuvante.

Sobre o LACOG: O LACOG (Grupo Latino-Americano de Oncologia Cooperativa) é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2009 por um grupo de médicos oncologistas latino-americanos interessados em desenvolver pesquisas clínicas. Este é o primeiro grupo cooperativo multinacional da América Latina dedicado exclusivamente à pesquisa clínica e translacional do câncer. Atualmente, o LACOG conta com mais de 400 pesquisadores, presentes em 194 instituições de 16 países da América Latina.

 

Saiba mais:

National Comprehensive Cancer Network (NCCN). Disponível em: http://www.nccn.org/professionals/physician_ gls/pdf/penile.pdf

Barnholtz-Sloan JS, Maldonado JL, Pow-sang J, Giuliano AR. Incidence trends in primary malignant penile câncer. Urologic Oncology 2007; 25 (5): 361-367.

Instituto Nacional do Câncer (INCA). Ministério da Saúde.

https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT04224740?term=pembrolizumab&cond=Penis+Cancer&draw=2&rank=1 ClinicalTrials.gov Identifier: NCT04224740

Send this to a friend