Estudo correlaciona índice de massa corpórea ao desfecho de mulheres com câncer de mama inicial que receberam docetaxel adjuvante

3 min. de leitura

Estudo mostrou pior sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida global (SG) de acordo com o aumento do índice de massa corporal (IMC) de mulheres no início do tratamento que receberam quimioterapia adjuvante à base de docetaxel

Recentemente, uma análise retrospectiva do estudo BIG 2-98 relatado no Journal of Clinical Oncology mostrou pior sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida global (SG) de acordo com o aumento do índice de massa corporal (IMC) de mulheres no início do tratamento que receberam quimioterapia adjuvante à base de docetaxel, mas não entre aquelas que receberam outras quimioterapias não contendo taxano.

Neste estudo, 2.887 mulheres foram aleatoriamente designadas para um dos quatro grupos de tratamento, na proporção 1: 1: 2: 2:
a) Controle sequencial: 4 ciclos de doxorrubicina a 75 mg/m² e 3 ciclos de ciclofosfamida, metotrexato e fluorouracil (CMF);
b) Controle simultâneo: 4 ciclos de doxorrubicina a 60 mg/m² mais ciclofosfamida a 600 mg/m² e 3 ciclos de CMF;
c) Docetaxel sequencial: 3 ciclos de doxorrubicina a 75 mg/m² e 3 ciclos de docetaxel a 100 mg/m², seguidos por três ciclos de CMF;
d) Docetaxel concomitante: composto por 4 ciclos de doxorrubicina a 50 mg/m² mais docetaxel a 75 mg/m² e 3 ciclos de CMF.

A sobrevida livre de doença foi o desfecho primário e a sobrevida global foi o secundário, sendo o IMC (kg/m²) categorizado em 18,5 a < 25 (paciente magro), 25 a < 30 (sobrepeso) e ≥ 30 (obesos).

Do total de 1.880 pacientes que receberam docetaxel, 887 eram magras, 632 tinham sobrepeso e 361 eram obesas. Entre as 959 pacientes que receberam tratamento sem docetaxel, 459 foram categorizadas como magras, 319 sobrepeso e 181 obesas.

Não foi observada diferença significativa na SLD entre os subgrupos magro, sobrepeso e obeso em pacientes tratados sem docetaxel (p = 0,28). Na análise multivariada, o hazard ratio (HR) foi de 1,07 para sobrepeso versus magro (p = 0,56) e de 1,11 para obeso versus magro (p = 0,49). Por outro lado, o IMC foi associado a diferenças significativas na SLD no grupo tratado com docetaxel (p = 0,0024).

Nenhuma diferença significativa na SG foi observada nas categorias de IMC no grupo sem docetaxel (p = 0,44). Na análise multivariada, o HR foi de 0,96 para sobrepeso versus magro (p = 0,78) e de 1,10 para obeso versus magro (p = 0,59). Entretanto, o aumento do IMC foi significativamente associado à pior SG no grupo tratado com docetaxel (P = 1,1e−05). Na análise multivariada, o HR foi de 1,27 para sobrepeso versus magro (p = 0,04) e de 1,63 para obeso versus magro (p = 0,0001). O IMC também foi significativamente associado à SG nesse grupo quando considerado como variável contínua.

Um ponto importante é que uma proporção maior de pacientes obesas no grupo tratado com docetaxel recebeu uma intensidade de dose relativa de docetaxel < 85% em comparação com outros grupos de IMC. A análise incluindo apenas as pacientes no grupo tratado com docetaxel que receberam uma intensidade de dose relativa de docetaxel ≥ 85% mostrou resultados semelhantes para SLD e SG, sugerindo que os achados não estavam relacionados à intensidade relativa da dose.

Os resultados de acordo com o status do receptor hormonal (RH) no grupo sem docetaxel não foram significativamente associados à SLD nem à SG nos diferentes grupos de IMC. Por outro lado, o aumento do IMC no grupo tratado com docetaxel foi significativamente associado à pior SLD entre os pacientes RH negativos (p = 0,0052) e entre os RH positivos (p = 0,036). Da mesma forma, associações significativas com pior SG foram observadas em pacientes com RH negativos (p = 0,0011) e em RH positivos (p = 0,0015).

Esta análise retrospectiva é provocativa e geradora de hipóteses, abordando diferentes respostas ao docetaxel de acordo com o IMC no tratamento adjuvante de pacientes com câncer de mama inicial. A associação foi observada entre pacientes com receptor de estrógeno negativo e positivo. Esses resultados devem ser confirmados em séries prospectivas.

Saiba mais:
Desmedt C, Fornili M, Clatot F, Demicheli R, De Bortoli D, Di Leo A, Viale G, de Azambuja E, Crown J, Francis PA, Sotiriou C. Differential Benefit of Adjuvant Docetaxel-Based Chemotherapy in Patients With Early Breast Cancer According to Baseline Body Mass Index. Journal of Clinical Oncology. 2020 Jul:JCO-19.

Send this to a friend