Pembrolizumabe continua demonstrando importante atividade antitumoral no carcinoma urotelial in situ de alto risco refratário a BCG

3 min. de leitura

Os dados de atualização do estudo KEYNOTE-057 foram apresentados no 35º Congresso Anual da European Association of Urology (EAU20)

No câncer de bexiga não músculo-invasivo, o pembrolizumabe continua demonstrando atividade antitumoral encorajadora no carcinoma in situ de alto risco, com ou sem tumor papilar, refratário a BCG (bacillus Calmette Guérin). O medicamento foi aprovado para essa finalidade em janeiro de 2020 pelo FDA americano (U.S. Food and Drug Administration), especialmente aos pacientes não elegíveis à cistectomia. Os dados de atualização do estudo KEYNOTE-057 (fase II e de braço único) foram apresentados no 35º Congresso da EAU, incluindo análises exploratórias da qualidade de vida relacionadas à saúde.

Os pacientes receberam 200 mg de pembrolizumabe a cada 3 semanas por 24 meses ou até recorrência, progressão ou toxicidade inaceitável. Aqueles com câncer de bexiga não músculo-invasivo de alto risco persistente, recorrente ou com progressão de doença foram obrigados a interromper o tratamento.

Os desfechos principais foram taxa de resposta completa, duração da resposta e segurança. A qualidade de vida relacionada à saúde foi avaliada usando o questionário Functional Assessment of Cancer Therapy-Bladder cancer, que inclui escalas para sintomas específicos do câncer de bexiga.

Ao todo, 102 pacientes foram incluídos na coorte. A duração média do acompanhamento foi de 24,3 meses (intervalo, 14,2-36,5).

A taxa de resposta completa na primeira avaliação foi de 41,2% (IC 95%: 31,5%-51,4%). Entre 42 pacientes com resposta completa, a duração mediana dessa resposta foi de 16,2 meses (variação de 0 a 26,8). Um total de 57,4% dos pacientes apresentou resposta completa ≥ 12 meses, de acordo com a análise de Kaplan-Meier. No geral, 19 pacientes (45,2%) mantiveram resposta completa no último acompanhamento, enquanto 20 (47,6%) apresentaram recidiva do câncer após a resposta completa.

No momento da análise, não foram observadas ocorrências de progressão para a doença músculo-invasiva nem metastática. A mediana de sobrevida global não foi alcançada e a taxa de sobrevida global em 12 meses foi de 98,0%.

Entre os pacientes com resposta completa, a qualidade de vida relacionada à saúde permaneceu estável ao longo do tempo. Em um período de análise pré-especificado da semana 39, a maioria dos pacientes melhorou em relação à linha de base (aumento de ≥7 ou ≥3 pontos, respectivamente) ou permaneceu estável (variação entre −7 e +7 ou −3 e +3 pontos, respectivamente) nas seguintes avaliações:
● Functional Assessment of Cancer Therapy-General total (71,1%);
● Functional Assessment of Cancer Therapy-General physical well-being (77,7%).

Entre 23 respondedores cuja doença recidivou posteriormente e 60 que não responderam, 10 (43,5%) e 28 (46,7%) pacientes respectivamente foram submetidos à cistectomia após a descontinuação do tratamento.

Eventos adversos relacionados ao tratamento ocorreram em 67 pacientes (65,7%). Os mais frequentes (≥10%) foram fadiga (10,8%), prurido (10,8%) e diarreia (10,8%). Eventos adversos relacionados ao tratamento de grau 3/4 ocorreram em 13 (12,7%) pacientes. Vinte e um (20,6%) pacientes apresentaram eventos adversos imunomediados.

Os autores concluem que no câncer de bexiga não músculo-invasivo o pembrolizumabe continua demonstrando atividade antitumoral no carcinoma in situ de alto risco, com ou sem tumor papilar, refratário à BCG. A qualidade de vida relacionada à saúde foi mantida e o perfil de segurança foi consistente com o conhecido do pembrolizumabe.

Referências
Balar AV, Kulkarni GS, Uchio EM, Boormans J, Mourey L, Krieger LE, Singer EA, Bajorin DF, Kamat AM, Grivas P, Seo HK. Keynote 057: Phase II trial of Pembrolizumab (pembro) for patients (pts) with high-risk (HR) nonmuscle invasive bladder cancer (NMIBC) unresponsive to bacillus calmette-guérin (BCG).

https://eaucongress.uroweb.org/

 

Send this to a friend