Copanlisibe mais rituximabe demonstra resultados positivos no linfoma não-Hodgkin indolente recidivado ou refratário

< 1 min. de leitura

Dados primários do CHRONOS-3 mostraram ampla eficácia e superioridade da combinação em comparação com placebo mais rituximabe 

Dra. Danielle Leão, Médica Hematologista e Pesquisadora Clínica da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, faz uma análise sobre o estudo CHRONOS-3, apresentado durante o American Association for CancerResearch (AACR) Annual Meeting 2021 e publicado, ao mesmo tempo, no periódico The Lancet Oncology.  

O objetivo foi avaliar mais uma possibilidade terapêutica para os pacientes com linfoma não-Hodgkin indolente (iLNH) recidivado ou refratárioOs resultados do trabalho demonstraram que a combinação de copanlisibe e rituximabe levou a uma redução de 48% no risco de progressão de doença ou morte versus rituximabe e placebo.

“O estudo tem uma grande importância, ao menos nos países em que o copanlisibe já está aprovado para essa indicação, como nos Estados Unidos. Essa associação com o rituximabe se mostrou manejável, surgindo como uma nova opção para esses pacientes e provavelmente irá mudar a prática clínica em breve”, opina a especialista. 

Ouça os comentários da médica também em versão podcast:   

Referência: 
Matasar MJ, et al. CHRONOS-3: Randomized Phase III study of copanlisib plus rituximab vs rituximab/placebo in relapsed indolent non-Hodgkin lymphoma (iNHL). Abstract CT001. AACR Annual Meeting. 2021. 

 

Aviso Legal: Todo conteúdo deste portal foi desenvolvido e será constantemente atualizado pela Oncologia Brasil, de forma independente e autônoma, sem qualquer interferência das empresas patrocinadoras e sem que haja qualquer obrigação de seus profissionais em relação a recomendação ou prescrição de produtos de uma das empresas. As informações disponibilizadas neste portal não substituem o relacionamento do(a) internauta com o(a) médico(a). Consulte sempre seu médico(a).   

 

Send this to a friend