Combinação atezolizumabe e bevacizumabe melhora a sobrevida de pacientes com hepatocarcinoma

< 1 min. de leitura

Os resultados do IMbrave150 apresentados no último sábado na ESMO Asia 2019 mostraram uma melhora estatisticamente e clinicamente significativa de sobrevida global e sobrevida livre de progressão em pacientes com hepatocarcinoma (HCC) metastático tratados com atezolizumabe mais bevacizumabe em comparação com aqueles tratados com sorafenibe.

O estudo de fase 3 IMbrave150 randomizou (2:1) 501 pacientes com HCC irressecável para atezolizumabe mais bevacizumabe ou sorafenibe. Os pacientes continuaram com o tratamento designado até toxicidade inaceitável ou perda de benefício clínico, conforme julgado pelos investigadores do estudo.

Após um acompanhamento médio de 8,6 meses, os resultados mostraram um hazard ratio 0,58 para a sobrevida global (IC95% 0,42, 0,79, p = 0,0006). A sobrevida livre de progressão mediana (SLP) também aumentou significativamente (mediana 6,8 vs 4,3 meses, HR 0,59, IC 95% 0,47, 0,76, p <0,0001). A taxa de resposta geral foi duas vezes maior com a combinação atezolizumabe mais bevacizumabe em comparação com o sorafenibe (27% vs 12%, p <0,0001), com base nos critérios RECIST 1.1 e aumentou de maneira semelhante com os critérios HCC mRECIST (33% vs 13%, p <0,0001). A análise de qualidade de vida também foi positiva para a combinação atezolizumabe mais bevacizumabe comparada a sorafenibe.

Eventos adversos de grau 3-4 ocorreram foram semelhantes nos braços, ocorrendo em 57% dos pacientes tratados com atezolizumabe mais bevacizumabe e 55% daqueles que receberam sorafenibe.Eventos adversos de grau 5 ocorreram em 5% e 6% dos pacientes, respectivamente.

Saiba mais em: Annals of Oncology, Volume 30, 2019 Supplement 9.

Send this to a friend