Caquexia e desfechos clínicos em pacientes com linfoma tratados com CART

2 min. de leitura

 A caquexia é um fator prognóstico independente para desfechos desfavoráveis em várias populações com câncer em estágios iniciais e finais, mas não foi investigado em pacientes oncológicos recebendo terapia com células T do receptor de antígeno quimérico (CART) 

 

Durante o Congresso Mundial da ASCO 2021, foi apresentado um estudo que avaliou a relação entre caquexia e desfechos clínicos e funcionais em pacientes com linfoma recebendo CART. 

O estudo de coorte retrospectiva incluiu 70 pacientes adultos com linfoma difuso de grandes células B ou linfoma de células do manto que receberam CART. Marcadores de caquexia como perda de peso corporal (PPC), índice de massa corpórea (IMC), albumina, creatinina e razão de neutrófilos para linfócitos (RNL), foram avaliados no diagnóstico, pré-coleta, início do CART e até o dia 360 pós-CART.  

Os desfechos primários incluíram a recidiva da doença após CART e mortalidade em 90 dias e os secundários envolveram a necessidade de serviços de reabilitação pós-tratamento agudo (reabilitação de pacientes internados ou fisioterapia domiciliar).  

 

Resultados: 

Na modelagem longitudinal do diagnóstico até o dia 360, os pacientes com CART que apresentaram recidiva tiveram associações lineares ao longo do tempo com PPC desde o diagnóstico (p < 0,01), RNL (p < 0,0001), creatinina (p = 0,045) e albumina (p < 0,001).  

Em análises univariadas na pré-coleta, altos níveis de RNL e PPC aumentaram as chances de recidiva. No tratamento, RNL e proteína C reativa elevados aumentaram as chances de mortalidade; e no D30, e PPC e alta RNL aumentaram as chances de recidiva e mortalidade, respectivamente.  

Em análises multivariadas, PPC e alta RNL se associaram independentemente com recidiva e mortalidade, respectivamente. As covariáveis ​​significativas incluíram necessidade de ponte (p = 0,02), terapia com esteroides pré-CART (p < 0,01) e tempo desde o diagnóstico até o CART (p = 0,02). Secundariamente, PPC e baixo teor de albumina pré-CART aumentaram as chances de necessidade de serviços de reabilitação, com PPC independentemente se associando em modelos multivariados (OR = infinito, p < 0,001). 

Os autores concluem que os marcadores de caquexia, como PPC no diagnóstico e RNL, são potenciais preditores de recidiva e mortalidade após CART. No geral, este estudo sugere que a caquexia pode alterar o desfecho clínico e funcional de pacientes com linfoma que recebem CART. 

 

Referências:  

  1. Roy I, et alCachexia is an independent factor for negative clinical and functional outcomes in lymphoma patients receiving CART therapy.  Clin Oncol 39, 2021 (suppl 15;  abstr e19504). DOI:10.1200/JCO.2021.39.15_suppl.e19504. 

 

Send this to a friend