Atualização dos estudos OpACIN e OpACIN-neo indica benefício da imunoterapia neoadjuvante em pacientes com melanoma estadio IIIB/IIIC

2 min. de leitura

Dados de atualização de sobrevida livre de recorrência foram avaliados nos estudos OpACIN e OpACIN-neo, que foram apresentados no AACR 2020

Dados de atualização de sobrevida livre de recorrência (SLR) de 36 e 18 meses dos estudos OpACIN e OpACIN-neo foram apresentados durante o AACR 2020.

O estudo de fase 1b OpACIN comparou ipilimumabe + nivolumabe neoadjuvante versus ipilimumabe + nivolumabe. Foram randomizados 20 pacientes com melanoma em estágio IIIB/IIIC para receber 4 ciclos de ipilimumabe (IPI) 3 mg/kg + nivolumabe (NIVO) 1 mg/kg adjuvante versus 2 ciclos de IPI + NIVO neoadjuvante na mesma dose seguidos por 2 ciclos de IPI + NIVO adjuvante.

No estudo OpACIN-neo, três esquemas de dosagens diferentes de ipilimumabe com nivolumabe neoadjuvante foram avaliados em 86 pacientes randomizados para 2 ciclos:
• Braço A: 2 ciclos de IPI 3 mg/kg + NIVO 1 mg/kg a cada 3 semanas (n = 30)
• Braço B: 2 ciclos de IPI 1 mg/kg + NIVO 3 mg/kg a cada 3 semanas (n = 30)
• Braço C: 2 ciclos de IPI 3 mg/kg a cada 3 semanas seguidos imediatamente por 2 ciclos de NIVO 3 mg/kg a cada 3 semanas (n = 26).

A resposta patológica foi definida como < 50% de células tumorais viáveis e revisada centralmente de maneira cega por um patologista. As taxas de SLR foram estimadas pelo método de Kaplan-Meier.

Após um acompanhamento médio de 36 meses para OpACIN e 18 meses para OpACIN-neo, apenas 1 de 71 pacientes (1,4%) recidivou em terapia neoadjuvante com resposta patológica versus 15 de 23 pacientes (65,2%) sem resposta patológica. No estudo OpACIN, a taxa de SLR estimada em 3 anos para o braço neoadjuvante foi de 80% (IC 95%: 59% – 100%) versus 60% (IC 95%: 36% – 100%) para o braço adjuvante.

A SLR mediana não foi atingida em nenhum dos braços do estudo OpACIN-neo. A taxa estimada de SLR em 18 meses foi de 85% (IC 95%: 78% – 93%) para todos os pacientes; 90% (IC 95%: 80% – 100%) para o braço A; 82% (IC 95%: 70% – 98%) para o braço B; e 83% (IC 95%: 70% – 100%) para o braço C.

As análises translacionais mostraram que a carga mutacional do tumor e o escore de expressão do gene interferon-γ no baseline, separados e combinados, podem funcionar como preditores de resposta.

OpACIN mostrou pela primeira vez um potencial benefício da imunoterapia neoadjuvante versus adjuvante. OpACIN-neo confirmou as altas taxas de resposta patológica alcançadas com IPI + NIVO na neoadjuvância. Ambos os ensaios reforçam que a resposta patológica pode ser um preditor de SLR.

Referência:
Blank, CU et al. 3412 – 36-months and 18-months relapse-free survival after (neo)adjuvant ipilimumab plus nivolumab in macroscopic stage III melanoma patients – update of the OpACIN and OpACIN-neo trials. Session MS.IM02.02 – Combination Immunotherapies
https://www.abstractsonline.com/pp8/#!/9045/presentation/6903

Send this to a friend