A importância da estratégia de primeira linha na doença metastática do câncer de cólon e reto

3 min. de leitura

Dr. Virgílio Souza, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center, comenta sobre a estratégia na primeira linha de tratamento da doença metastática do câncer de cólon e reto. No vídeo, ele aborda questões relacionadas à lateralidade do tumor, terapia de conversão e os resultados do estudo PANDA.

Avaliar as características moleculares e tumorais, além das características do paciente e suas preferências é essencial para entender e definir a melhor estratégia de primeira linha e sequência de tratamento.

O oncologista destaca no vídeo pontos relacionados à lateralidade do tumor. Sabe-se que tumores de lado esquerdo têm um prognóstico superior comparado aos tumores do lado direito. Isso impacta na questão preditiva de resposta ao tratamento com terapia anti-EGFR e uso de bevacizumabe. Pacientes de lado esquerdo RAS selvagem, por exemplo, quando tratados em primeira linha com terapia anti-EGFR, têm sobrevida superior àqueles tratados com a terapia anti-VEGF. “Na escolha do tratamento de primeira linha de tumores de cólon esquerdo ou reto, analisando o perfil molecular e se RAS selvagem, considero utilizar a terapia anti-EGFR, já que análises retrospectivas de grandes estudos demonstraram benefícios da adição do anti-EGFR versus o VEGF para esses pacientes”, comenta.

Outro assunto abordado pelo especialista foi a terapia de conversão. A maioria dos pacientes com câncer colorretal que desenvolvem metástases hepáticas não é passível de ressecção ao diagnóstico da doença metastática (cerca 80-90% dos casos) e, portanto, deve ser avaliada quanto a essa possibilidade de tratamento.

De acordo com Dr. Virgílio, a terapia de conversão também é importante na escolha de primeira linha. Um dos desfechos mais relevantes nesse cenário é a taxa de resposta, ou seja, a capacidade do regime de reduzir o tamanho das metástases, aumentando a chance de ressecabilidade. A adição de terapias-alvo, seja anti-EGFR ou anti-VEGF, torna-se, assim, factível. “Estudos mostram que principalmente nos pacientes RAS selvagem em que há uma profundidade de resposta superior ao bevacizumabe e em que se almeja a ressecção, talvez o anti-EGFR seja a estratégia mais factível.”

O tratamento dos pacientes idosos, segundo o médico, é mais um ponto a ser considerado. Resultados do estudo PANDA demonstraram que pacientes idosos ou com baixa performance, quando tratados com 5-FU com o acréscimo de panitumumabe em primeira linha, apresentaram alta taxa de resposta (ao redor de 57%). Além disso, houve também um bom controle da doença sistêmica, com uma sobrevida livre de doença não inferior ao braço que fez uso do doublet (FOLFOX) com panitumumabe.

Em conclusão, o especialista reforça a importância de conhecer as características do tumor e o volume de doença, lembrando sempre do perfil molecular, da instabilidade de microssatélite e do perfil RAS, para delinear a estratégia de primeira linha e o melhor sequenciamento de tratamento para esses pacientes.

 


 

Referências:

Arnold D, Lueza B, Douillard JY, Peeters M, Lenz HJ, Venook A, Heinemann V, Van Cutsem E, Pignon JP, Tabernero J, Cervantes A. Prognostic and predictive value of primary tumour side in patients with RAS wild-type metastatic colorectal cancer treated with chemotherapy and EGFR directed antibodies in six randomized trials. Annals of oncology. 2017;28(8):1713-29.

Vera R, Salgado M, Safont MJ, Gallego J, González E, Élez E, Aranda E. Controversies in the treatment of RAS wild-type metastatic colorectal cancer. Clinical and Translational Oncology. 2020 Aug 13:1-3.

Xiw, YH et al. Comprehensive review of targeted therapy for colorectal câncer. Signal Transduction and Targeted Therapy 2020, 5(22)

Van Cutsem E, Cervantes A, Nordlinger B, Arnold D; ESMO Guidelines Working Group. Metastatic colorectal cancer: ESMO Clinical Practice Guidelines for diagnosis, treatment and follow-up. Ann Oncol. 2014;25 Suppl 3:iii1-9.

Neumann J, Zeindl-Eberhart E, Kirchner T, Jung A. Frequency and type of KRAS mutations in routine diagnostic analysis of metastatic colorectal cancer. Pathol Res Pract. 2009;205(12):858-62.

Cui W., Li F., Yuan Q., Chen G., Chen C., Yu B. Role of VEGFA gene polymorphisms in colorectal cancer patients who treated with bevacizumab. [(accessed on 30 June 2020)];Oncotarget. 2017 8:105472–105478. doi: 10.18632/oncotarget.22295. Available online:

Hoperten, C & Nagy, V. Optimizing the use of anti VEGF targeted therapies in patients with metastatic colorectal cancer: review of literature, Clujul Med. 2018; 91(1): 12–17.

J Clin Oncol 38: 2020 (suppl; abstr 4002). DOI:10.1200/JCO.2020.38.15_suppl.4002

https://meetinglibrary.asco.org/record/185499/abstract

Send this to a friend